Scroll Top

Bons hábitos

20 dicas para economizar no supermercado

A conta do supermercado não está cabendo no bolso? Os preços subiram, sim, mas será que você não está errando no jeito de fazer as compras ou jogando dinheiro fora?

economizar-no-mercado

Leia também: 

 

Defina seu limite

Estipule um valor máximo para gastar na sua compra. Lembre-se de que é você quem prioriza as necessidades na sua vida, não as “promoções” de um estabelecimento comercial. Ao atingir o limite que você fixou, pare de comprar.

iStock

iStock

2

Faça uma lista de compras

Elabore uma lista prévia do que você realmente precisa e, mais importante, siga-a com disciplina. Planejamento evita desperdícios, como comprar produtos repetido, por impulso ou em quantidade maior do que o necessário.
Samy Adghirni – 2 mar. 2016/Folhapress
Samy Adghirni - 2 mar. 2016/Folhapress

3

Organize a lista por seção do supermercado

Seja organizado já na lista de compras, agrupando produtos que ficam próximos –por exemplo: produtos de limpeza, higiene pessoal, enlatados etc.. O resultado: uma experiência mais rápida, objetiva e fugindo das compras por impulso.
Silvia Zamboni\Folhapress
Silvia Zamboni\Folhapress

4

Pesquise os preços, inclusive em atacadões e ‘atacarejos’

Faça uma pesquisa de preços antes de decidir onde vai fazer as compras. Considere também comprar em atacadões e atacarejos, que prestam um serviço mais simples e, em contrapartida, tendem a oferecer preços finais menores para o consumidor. Se a família for grande, talvez compense comprar nos atacados.
Getty Images
Getty Images

5

Prefira comprar na segunda quinzena do mês

A maioria dos consumidores compra no início do mês. Na segunda quinzena há uma queda normal de vendas, e as empresas ficam mais propícias a fazer promoções para melhorar o fluxo de caixa.
Paulo Nicolella / Ag. O Globo
Paulo Nicolella / Ag. O Globo

6

Evite ir ao supermercado lotado

O excesso de gente pode gerar um falso “senso de urgência” no consumidor e fazê-lo comprar mais do que o necessário ou sem pensar antes.
Thinkstock/Getty Images
Thinkstock/Getty Images

7

Nunca vá às compras com fome

A fome atrapalha na hora de calcular a quantidade de produtos de que você realmente precisa. Resultado: acaba comprando coisas demais. Ou, então, cai na tentação e compra alimentos que não estavam na lista.
Thinkstock
Thinkstock

8

Levar a(s) criança(s) ou não?

Se for sem a(s) criança(s), você evita a pressão para comprar produtos supérfluos, já que os pequenos são alvos fáceis para o marketing. Por outro lado, se levá-la(s), tem a chance de ensinar que não se pode comprar tudo o que quer.
Divulgação
Divulgação

9

Não vá ao supermercado passear

Ficar andando com o carrinho pelos corredores é um prato cheio para cair na armadilha das compras por impulso. Supermercado não é lugar de passear. Só vá se precisa mesmo comprar alguma coisa. Entre, faça suas compras e tchau.
Thinkstock
Thinkstock

10

Cuidado com os truques e ‘armadilhas’ de marketing

Tudo no supermercado é feito para você gastar mais: a música, a claridade, os corredores longos, a posição dos produtos etc.. Chocolates e doces costumam ser colocados ao alcance das crianças. Produtos essenciais costumam ficar no fundo para fazer o consumidor percorrer todos os setores.
Shutterstock
Shutterstock

11

Leve uma calculadora

Leve sua calculadora e confira com cuidado se os preços são bons para você. Além do preço, considere a quantidade. Por exemplo, o produto X custa R$ 5 e o Y, R$ 8, mas o X tem 500 gramas e o Y, 1 quilo. Fazendo as contas, o Y é mais vantajoso.
Fernando Lemos / Ag. O Globo
Fernando Lemos / Ag. O Globo

12

Não caia no conto do ‘chamariz’

Às vezes, os supermercados baixam os preços de alguns itens mais vendidos para dar a impressão de que tudo ali está barato e atrair mais clientes. Na verdade, há preços altos “escondidos” no meio de outros produtos.
Aiana Freitas/UOL
Aiana Freitas/UOL

13

Preços menores, só que não

Cuidado com os preços “quebrados”, geralmente terminados em 9. Eles tentam confundir o consumidor e dar a falsa impressão de que são menores do que realmente são.
Rodrigo Teixeira/UOL
Rodrigo Teixeira/UOL

14

Fique de olho nos ‘produtos da estação’

Se notar que alguns produtos tiveram queda de preço, aproveite para comprá-los. Por outro lado, evite aqueles que subiram muito. Nesse caso, vale até desrespeitar a lista de compras para aproveitar os preços de ocasião.
Folhapress
Folhapress

15

Além do preço, avalie a qualidade

Nem sempre o mais caro é o melhor e o mais barato, o pior. Também nem sempre vale a pena optar pelo mais barato para economizar se o produto não for de qualidade. Fique de olho em notícias, redes sociais e fóruns de consumidores. Evite produtos ou empresas com muitas queixas.
Thinkstock
Thinkstock

16

Cheque a validade e aproveite ofertas

Em geral, produtos perto de vencer ficam na parte da frente das gôndolas e prateleiras. Se for levar quantidade maior ou demorar para consumir, opte por prazos de validade maiores. Alguns lugares dão desconto em produtos próximos ao vencimento; pode ser uma boa opção se você for consumir logo.
Reprodução/UOL
Reprodução/UOL

17

Cuidado com a ‘compra casada’

Queijo com goiabada, macarrão com queijo, pães e frios. Supermercados tendem a colocar lado a lado produtos que se complementam para estimular a compra. Você deve refletir se compensa ou não levar os dois, se já tem em casa ou se há outras combinações mais baratas e até mais apetitosas.
Shutterstock
Shutterstock

18

Use o carrinho com moderação

Pesquisas apontam uma tendência em comprar “até tampar o carrinho” e eles até ficaram maiores nos últimos anos. Evite carrinhos grandes demais e lembre-se de que não é preciso enchê-lo.
Reprodução/Peninsula Clarion
Reprodução/Peninsula Clarion

19

Confira os preços ao passar pelo caixa

É mais comum do que se imagina: o valor que estava marcado na prateleira vira outro quando se chega ao caixa. Além de conferir a etiqueta, confira pesos nas balanças e os preços ao passar a compra no caixa.
Thinkstock
Thinkstock

20

Pague no débito ou à vista

Prefira pagar no cartão de débito ou à vista e evite jogar a despesa para frente. Isso evita a “surpresa” quanto a fatura do cartão de crédito chega e o efeito bola-de-neve nas dívidas do consumidor.

Fonte: educacaofinanceiraparatodos.com

 

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.